Renault vai fabricar 13 novos carros em São José dos Pinhais/PR

 Renault vai fabricar 13 novos carros em São José dos Pinhais/PR

A ampliação da gama de veículos da montadora faz parte do investimento de R$ 1,5 bilhão, anunciado oficialmente ontem em São José dos Pinhais

06/10/2011, 00:03
CRISTINA RIOS
Albari Rosa/ Gazeta do Povo

A Renault deve produzir 13 novos modelos de veículos no Brasil até 2016, como parte do plano de expansão das operações da empresa, que quer elevar sua participação no mercado nacional de 6% para 8% nesse período. Segundo o presidente mundial da aliança Renault-Nissan, Carlos Ghosn, a montadora tem planos de ampliar seu mix de produtos no país. “Hoje, com nossos veículos, cobrimos 76% do mercado. O objetivo é chegar a 90%”, afirmou ontem o executivo brasileiro, em São José dos Pinhais (região metropolitana de Curitiba), ao confirmar o investimento de R$ 1,5 bilhão na expansão das operações no Paraná.

Os planos da empresa – antecipados pela Gazeta do Povo na semana passada – preveem, além da produção de novos modelos na fábrica de São José, a criação de um centro de desenvolvimento de produtos e de engenharia, e um centro de internalização de carros e peças, que será instalado em Piraquara. O projeto, que contempla o período de 2010 a 2015, será enquadrado no programa de incentivos Paraná Competitivo, do governo do estado, e deve gerar 2 mil empregos – incluindo mil já contratados neste ano.
Do total de R$ 1,5 bilhão, R$ 500 milhões vão para equipamentos e construção de prédios. O valor restante, que já está sendo aplicado, vai para engenharia e desenvolvimento de produto. Com os investimentos, a fábrica de São José dos Pinhais vai elevar a produção de 40 para 60 carros por hora. A capacidade anual será elevada em 100 mil unidades, atingindo 383 mil carros por ano. O primeiro carro da nova série de lançamentos, o utilitário esportivo Duster, foi lançado na terça-feira.
Crise
A crise internacional deve afetar o Brasil, mas não deve derrubar o crescimento do país, na avaliação de Ghosn. Segundo ele, o país é um dos pilares da estratégia de desenvolvimento do grupo e deve se tornar, ainda neste ano, o segundo maior mercado da montadora, atrás apenas da França.
“Quando olhamos para o Brasil, olhamos para um período de 20 anos. É um país rico e com muito potencial, com recursos enormes, inclusive de petróleo, e uma demografia favorável. Não quer dizer que o Brasil vai passar ileso pela crise, mas ele vai continuar a crescer”, afirmou.
Ao se referir ao recente aumento da tributação de carros importados, Ghosn disse que para se ter êxito no Brasil é preciso investir no país – a elevação do IPI atinge principalmente marcas chinesas, que não têm fábrica no país.
Nacionalização
A Renault tem planos de aumentar a nacionalização dos seus veículos, hoje em 65%. “Quando se compara o nível de integração que temos em países como China e Índia, onde ele chega a 90%, ainda temos muito que avançar”, disse o presidente. A empresa tem hoje 55 fornecedores no Paraná.
Em discurso na tarde de ontem aos cerca de 6 mil funcionários da empresa em São José dos Pinhais, Ghosn lembrou que a empresa planeja vender 3 milhões de veículos no mundo em 2013, um quarto deles no Brasil. A empresa também tem planos de dobrar a rede de concessionárias – que deve fechar esse ano em 200 lojas – até 2016.
Att.,
Dr. Davi Chedlovski Pinheiro
www.pinheiroadvogados.com.br
OAB/PR 2375

 

Postado em 06/10/2011

Reblogado de: http://www.coblog.com.br/blog/index.php?cb=pinheiro&tipo=integra&id=44