Curitiba Lidera…

Curitiba Lidera os Financiamentos Habitacionais

Demanda de famílias Curitibanas com renda de mais de três salários mínimos fez financiamento à moradia no estado crescer bem acima da média nacional no ano passado.

10/02/2012, 00:18 Curitiba Lidera os Financiamentos Habitacionais
JOÃO PEDRO SCHONARTH
Gilberto Abelha/Jornal de Londrina

No Paraná, crédito à habitação é voltado a faixas de renda mais altas, o que eleva o total financiado.

A Caixa Econômica financiou 75.897 imóveis no Paraná em 2011, no total de R$ 5,95 bilhões, valor 22% mais alto que o registrado no ano anterior. Essa taxa de expansão, estimulada pelo aumento do nível de emprego e da massa salarial no estado, foi equivalente a mais de quatro vezes a registrada em todo o território nacional, onde o crédito imobiliário cresceu 5% e atingiu a marca de R$ 80,1 bilhões, que financiaram a compra de 1,097 milhão de imóveis. Em Curitiba, o crescimento sobre o ano anterior foi ainda mais forte, de 24%, em decorrência do financiamento de 27.305 imóveis no valor de R$ 2,12 bilhões.
Segundo a Caixa, em todo o país o principal impulso aos financiamentos veio da segunda fase do programa federal Minha Casa, Minha Vida, que começou em 2011. Além do aquecimento econômico – segundo estimativas, a economia estadual cresceu acima da média nacional em 2011 –, o crescimento acentuado no Paraná é atribuído ao valor mais alto dos imóveis financiados. Em outros estados, onde o déficit habitacional é mais alto, os financiamentos em geral têm valores menores, com a maioria das contratações de imóveis por famílias com renda mensal de até três salários mínimos. No Paraná, grande parte dos financiamentos se encaixa na faixa de mais de três salários, o que puxa para cima o total financiado.
“O desemprego está em baixa em todo o estado. A Região Me­­tro­­politana de Curitiba vive uma situação de pleno emprego e, com isso, os rendimentos estão em alta”, disse o superintendente regional da Caixa Econômica Federal, Hermínio Basso. “Além disso, o déficit habitacional no estado é menor, o que faz com que o número de contratações na primeira faixa do programa Minha Casa, Minha Vida seja menor aqui. A maioria dos financiamentos é para famílias com mais de três salários mínimos”, completou.
Inadimplência
De acordo com o superindentende, o aumento de crédito habitacional em todo o país foi facilitado pela estabilidade da taxa de inadimplência na área de habitação – que fechou o ano em 1,7% da carteira de clientes do banco, acima da marca de dezembro de 2010 (1,6%) mas abaixo do índice do fim de 2009 (1,8%). “O índice é bastante saudável. Mostra que o aprimoramento do sistema, em que se libera crédito de acordo com as condições de pagamento do consumidor, está dando certo. As análises rigorosas de crédito controlam o índice de inadimplência”, diz o superintendente regional.
Círculo virtuoso
Segundo o diretor-presidente do Instituto Paranaense de De­­sen­­volvimento Econômico e Social (Ipardes), Gilmar Mendes Lou­renço, o crescimento da economia paranaense gera um círculo virtuoso também sobre o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), uma das principais fontes do financiamento de imóveis.
“O aquecimento do mercado faz com que haja maior geração de emprego formal e mais renda. Com isso, há uma contribuição maior para o fundo, o que se reverte em recursos para a oferta de crédito à habitação”, diz Lourenço. Do crédito de R$ 80,1 bilhões que a Caixa liberou para imóveis em todo o Brasil no ano passado, R$ 31,3 bilhões – 39% – vieram do FGTS.
Carteira total
Com a ajuda do crédito habitacional, o saldo da carteira de crédito da Caixa aumentou 42% na passagem de 2010 para 2011, totalizando R$ 249,5 bilhões. No Paraná, o saldo aumentou 38%, para R$ 15,7 bilhões.
Att.,
Dr. Davi Chedlovski Pinheiro
http://www.pinheiroadvogados.com.br
OAB/PR 2375
Postado em 10/02/2012

Reblogado de: http://www.coblog.com.br/blog/index.php?cb=pinheiro&tipo=integra&id=69