Financiamento de Veículos Vira Pesadelo.

CRISTINA RIOSFinanciamento de Veículos Vira Pesadelo
Henry Milleo/ Gazeta do Povo

Quem se empolgou com o crédito farto dos últimos anos e hoje precisa vender o carro porque não consegue pagar as prestações encontra ainda outra dificuldade. O automóvel está depreciando em média de 15% a 30% no primeiro o ano e muitas vezes o valor da venda não é suficiente para pagar o restante da dívida.

No desespero, alguns tentar repassar o carro e a dívida para outras pessoas, muitas vezes até de graça. Em sites na internet, como Repasso, OLX e até Mercado Livre é possível encontrar anúncios em que a dívida é repassada por valores pequenos, como R$ 500, ou até mesmo sem custo.

O consumidor que mais está se atrapalhando nas contas é aquele que assumiu, além da aquisição do veículo, vários compromissos nos últimos meses, como a compra da casa própria, de móveis e eletrodomésticos.

“Clientes que compraram um carro 2011 voltam à concessionária e financiam um carro 2008, 2009, com prestação mais baixa. Nunca vimos um índice tão grande de troca de um automóvel mais novo por um mais antigo”, diz José Castro Pereira, diretor da concessionária Fórmula Renault em Londrina. Segundo ele, entre 15% e 20% das vendas de seminovos da loja são feitas para clientes que dão de entrada um veículo mais novo.

Segundo dados do Banco Central, a inadimplência do setor dobrou no último ano e bateu 5,7% em março – taxa mais alta desde o começo da série histórica, em 2000.

Mas nas concessionárias há relatos de que o índice de inadimplência em alguns bancos de montadoras chega a 18%. “Há bancos que estão adiando a busca e apreensão dos carros por falta de pátios para acomodar esses veículos”, diz Evandro Lemos Brasileiro, gerente de vendas de novos da Ford Center São José.

Segundo o presidente da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) no Paraná, Helmuth Altheim, o maior índice de atrasos está nos financiamentos de carros em 60 vezes. Em média são pagas apenas 20 parcelas, depois disso o orçamento familiar “aperta” e não há mais como honrar com o compromisso. Em um crédito de 60 meses, os pagamentos do primeiro ano amortizam só 10% da dívida.

Com o aumento da ina­­dimplência, os bancos endureceram o crédito para quem está em busca de um automóvel. Financiamentos de 60 meses e sem entrada viraram raridade. A média hoje não passa de 48 meses. Os bancos também alteraram as práticas de análise dos clientes. “Alguns estão investigando o histórico financeiro de até dez anos do comprador”, afirma Evandro Brasileiro, da Ford Center.

Na Servopa, o índice de recusa de cadastro, que era de 20% há um ano, hoje está em 40%, segundo o gerente geral, Ruy Fernando Montingelli. “As pessoas faziam uma conta de que poderiam pagar uma parcela de R$ 600 por mês pelo carro, mas muitas esqueceram de colocar outros gastos, como o do seguro e do combustível, que podem encarecer as despesas em até R$ 375 por mês. Em algum momento essas pessoas vão ter dificuldades”, acrescenta.

Segundo ele, 30% das vendas da concessionária hoje são realizadas com entrada de um veículo mais novo ou mais caro em troca de um mais barato. “Há casos de pessoas que vão até a concessionária com o carro de R$ 45 mil e trocam por um de R$ 25 mil”, diz.

“Estou disposto a dar um passo atrás”

João Pedro Schonarth

O empresário Michel Prado, 24 anos, percebeu neste ano que as contas não estavam fechando, depois de comprar um carro no ano passado. Para pagar os R$ 31 mil pelo novo veículo, ele deu como entrada o carro antigo, que, descontado o valor de quitação, entrou por R$ 11 mil. Os demais R$ 20 mil foram financiados pelo seu banco, que já tinha esse limite pré-aprovado – a contratação do financiamento foi feita em um clique pela internet.

O financiamento ficou em 48 vezes de R$ 630. “É um valor alto, mas ainda estava melhor porque financiei pelo banco que já tinha conta há um bom tempo”, lembra. A situação começou a apertar quando Prado resolveu comprar um apartamento. Para dar entrada no imóvel, teve que tomar um empréstimo para dar uma parcela à vista e financiar outra parte da entrada.

Resultado: hoje o empresário tem, entre prestação do carro, empréstimo e parcela da entrada do imóvel, uma dívida mensal de R$ 1,8 mil. Agora ele tenta uma engenharia financeira para equilibrar as finanças, e a melhor opção que encontrou foi trocar o carro por um mais antigo. Com isso, quitaria o empréstimo e conseguiria manter a prestação do novo veículo e do imóvel.

O problema é que todas as propostas que recebeu de concessionárias não cobrem a quitação do carro mais o pagamento do empréstimo. Para tentar resolver a equação, já anunciou o carro para a venda, mas também não teve sucesso. Entre as propostas oferecidas pelos possíveis compradores, estavam um terreno em Guaratuba e um Monza 1996 e mais R$ 10 mil. “Todas essas contas viraram uma bola de neve e estou disposto a dar um passo atrás com o carro, desde que consiga me livrar do empréstimo. Mas ainda não encontrei uma solução”, ressalta.

 

Att.,
Dr. Davi Chedlovski Pinheiro
http://www.pinheiroadvogados.com.br
OAB/PR 2375
Postado em 27/04/2012

Reblogado de: http://www.coblog.com.br/blog/index.php?cb=pinheiro&tipo=integra&id=88