Reclamações contra bancos aumentam 169% em 12 meses.

Segundo dados divulgados pelo Banco Central, as reclamações contra os bancos cresceram 169,7% em 12 meses. O número saltou de 1.054 em abril de 2012 para 2.843 em abril deste ano. Com relação a março de 2013, o avanço chegou a 20,67%.

Saiba-quais-sao-os-servicos-bancarios-que-nao-podem-ser-cobrados-televendas-cobranca

As queixas são consideradas válidas quando descumprem as normas do Conselho Monetário Nacional (CMN). O maior volume – 798 reclamações – foi com relação ao débito não autorizado em conta, que apresentou um aumento de 182,9% ante abril do ano passado, mês em que foram registradas 176 queixas. Em segundo lugar ficaram as relacionadas à prestação de serviço de forma irregular em conta salário (360 reclamações), alta de 200%, e cobrança irregular de tarifas (328 queixas), com crescimento de 97,5% ante igual período de 2012.

Dentre as instituições financeiras que mais receberam reclamações, o Santander lidera o ranking com 758 queixas. O número havia sido bem menor em 2012 – 100 reclamações. A maior queixa recebida pelo banco foi com relação à prestação de serviço de forma irregular em conta salário, com 178 reclamações, e débitos não autorizados em conta, com 173. O Santander conta com 23,1 milhões de clientes e tem um índice de reclamações de 3,28% no ano. Em 2012, a proporção foi de 0,43%.

Já o Banco do Brasil registrou 562 queixas em abril de 2013, apresentando um aumento de 157,8% em relação ao mesmo período de 2012, quando foram totalizadas 218. O principal motivo das reclamações foi a cobrança irregular de tarifas, que registraram 105 delas. A instituição pública possui 34,652 milhões de clientes, com um índice de reclamação de 1,62% ante 0,66% no ano passado.

De acordo com informações divulgadas pelo BC, o índice é calculado pelo número de reclamações dividido pela quantidade de clientes e multiplicado por 100. Entre as empresas com menos de 1 milhão de clientes, o maior volume de reclamações foi registrado nos bancos Bonsucesso, BMG (Cifra e BMG) e J.Malucelli (Paraná Banco).

(com Estadão Conteúdo)

Att.,
Dr. Davi Chedlovski Pinheiro
www.pinheiroadvogados.com.br
OAB/PR 2375