Taxas bancárias variam até 220%

20131022-103456.jpg

Quanto mais demandado o serviço, menor a diferença entre os bancos. Quando o produto é um pouco mais complexo, o preço tem variação bem maior

22/10/2013, 00:22
JOÃO PEDRO SCHONARTH
Conheça a si mesmo. A frase, que mais parece ter saído de um livro de autoajuda, é regra na hora de escolher um banco. Isso porque, conforme levantamento realizado pela reportagem, as taxas de serviços bancários podem variar até 220% entre instituições diferentes e conhecer o próprio perfil de consumo é uma das saídas para escapar das oscilações.

O levantamento, realizado em 3 de outubro, considerou dez taxas nos seis maiores bancos do país: Banco do Brasil, Bradesco, Caixa, HSBC, Itaú Unibanco e Santander, com base nos dados da Federação Brasileira de Bancos (Febraban). O serviço que teve a menor diferença entre os bancos foi o fornecimento de segunda via de cartão de débito, que custa R$ 5,30 no Bradesco e R$ 5,50 no Santander – uma variação de 3,7%.

Por outro lado, a maior variação, de 222%, foi constatada na compra de moeda estrangeira em espécie: a taxa para a aquisição é de R$ 20 na Caixa e no Santander e de R$ 65,40 no HSBC. A compra no cartão pré-pago também tem uma diferença grande: pode custar R$ 20 no Santander e R$ 40 no Banco do Brasil, variação de 100% – isso sem contar que no HSBC essa operação sai de graça.

Estratégia comercial

Essa variação maior entre os produtos como a compra de moeda estrangeira, serviço voltado a um público menor que o de depósito identificado, por exemplo, é explicada pela diferença de estrutura e estratégia entre os bancos, segundo Rodrigo Kremer, coordenador do MBA em Gestão Bancária e Mercado Financeiro da Fesp. Ele pontua que os bancos oferecem os produtos considerados padrão com um custo semelhante, mas a complexidade do serviço aumenta o custo da entidade.

“Quando mais padronizado é o serviço e mais buscado pelos consumidores, menores as chances de haver diferenças de preços, porque os bancos entendem que se cobram muito caro por um serviço simples, e que é oferecido por preço baixo pelo concorrente, pode haver a busca por outra instituição. Por outro lado, produtos menos demandados tendem a ter preços mais variáveis”, explica.

DÁ PARA COMPARAR

Há pelo menos dois caminhos para quem quer comparar as tarifas cobradas pelos bancos brasileiros. O mais simples é o Sistema de Divulgação de Tarifas de Serviços Financeiros da Febraban (Star), que permite consultar consultas e pacotes por instituição e comparar a mesma tarifa em vários bancos. O serviço está disponível em http://www.febraban-star.org.br.
O Banco Central também tem um mecanismo de consulta, mas é mais difícil de entender e operar. Está em http://www.bcb.gov.br/?TARIFAS.