GOLPE DOS BOLETOS NO BRASIL ACIONA ATÉ FBI NOS ESTADOS UNIDOS

20140703-092818-34098564.jpg

A chamada ‘Gangue do Boleto’ foi desbaratada pela Polícia Federal, com ajuda do FBI, a polícia americana, e da empresa de segurança na internet RSA. Usando computadores instalados nos EUA, o grupo fraudou 496 mil boletos, no valor total de 8,6 bilhões de reais, sendo que o Brasil foi o país mais afetado no golpe. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, confirmou a investigação nesta quarta-feira e disse que a Polícia Federal está “tomando todas as medidas necessárias” para apurar mais informações sobre a fraude, que envolve desvio de dinheiro a partir de boletos bancários. “A investigação ocorre em sigilo e, em momento oportuno, quando chegarmos a conclusões ao longo da investigação, será esclarecida a questão”, disse.
Segundo o jornal Folha de S. Paulo, a descoberta de uma fraude internacional que envolve boletos falsos e computadores infectados por vírus. A quadrilha mandava para pessoas e-mails falsos de supostas cobranças ou mensagens do tipo “veja nossas fotos” que, ao serem clicados, instalavam no computador desses usuários um vírus chamado ‘Bolware’. Uma vez infectados os computadores são monitorados dos Estados Unidos pelo grupo. Segundo a RSA, 192 mil computadores foram afetados.
Quando os consumidores faziam pagamentos no site dos bancos (internet banking), ao digitar os números que constam no boleto, os números da conta a ser creditada eram alterados e o dinheiro dos pagamentos era direcionado para a conta pessoal dos fraudadores. Somente na conclusão da compra que o número modificado aparecia. O vírus não chega a invadir a conta corrente do internauta nem o sistema de geração de boletos das lojas online.
Segundo o jornal Folha de S. Paulo, pelo menos 34 instituições bancárias foram envolvidas, em mais de um país. Os maiores bancos brasileiros estariam na lista, mas a PF não comenta quais. A operação da PF que contou com o FBI foi feito em Campinas (SP) em fevereiro, com profissionais da RSA, que se passaram por hackers em comunidades restritas da internet. Chegou-se a 40 computadores da quadrilha, todos nos EUA. Os boletos representam atualmente 4,5% do volume de pagamentos e 3% do total de fraudes em 2013, segundo a associação dos bancos, Febraban.
(com Estadão Conteúdo)