Greve de Ônibus e Juros do cheque especial a 200,6% Tá difícil do Brasil ir pra frente

image

Patamar de juros cobrados nesse tipo de empréstimo é o maior desde fevereiro de 1999

27/01/2015, 11:26
ESTADÃO CONTEÚDO

A taxa média de juros no crédito livre caiu de 32,9% ao ano em novembro para 32,4% ao ano em dezembro, informou o Banco Central (BC), nesta terça-feira, 27. Em dezembro de 2013, essa taxa estava em 29% ao ano e, no encerramento de 2012, em 25,3%. Em 2011, quando teve início a atual série histórica do BC, o ano fechou com o juro médio em 31,12%. O cheque especial foi a exceção entre as principais linhas de crédito livre para a pessoa física.

A taxa do cheque especial teve avanço de 191,6% ao ano para 200,6% ao ano na mesma comparação. Com isso, o patamar de juros cobrados nesse tipo de empréstimo é o maior desde fevereiro de 1999 (204,34%). Para o crédito pessoal, recuou de 45,9% ao ano para 45,3% ao ano.

Para veículos, os juros caíram de 22,7% ao ano para 22,3% ao ano de novembro para dezembro. Em dezembro de 2013, estava em 21,3% e um ano antes em 19,8%.

A taxa média de juros no crédito livre para a pessoa física passou de 44,1% ao ano para 43,4% ao ano, de novembro para dezembro, enquanto a para pessoa jurídica, caiu de 23,5% ao ano para 23,3% ao ano no mesmo período.

A taxa média de juros no crédito total, que inclui também as operações direcionadas, recuou de 21,3% ao ano em novembro para 20,9% ao ano em dezembro. No final de 2013 estava em 19,7% e, no encerramento de 2012, em 18% ao ano. O juro médio do crédito direcionado passou de 7,9% ao ano para 7,8% ao ano na margem.

VEJA AO LADO ONDE OCORREM OS JUROS ABUSIVOS –>

Os Juros Abusivos são proibidos por Lei desde a década de 30, pelo Decreto nº 22.626, de 7 de Abril de 1933, e várias outras leis, normas e princípios. Mesmo assim os Juros Abusivos sempre existiram nos países subdesenvolvidos onde os bancos tem política exploratória e as pessoas tem medo de reclamar seus direitos na justiça.

Os Juros Abusivos ocorrem quando os valores pagos pelo empréstimo são muito altos. Aqui no Brasil é muito comum se pagar o dobro ou mais do valor emprestado. A taxa de juros deveria ser calculada com base no risco da inadimplência, aqui no Brasil é calculada com base na lei da oferta e procura*. O que prova essa afirmação é a baixa taxa de inadimplência do brasileiro que gira em torno de apenas 5% (cinco) por cento ao ano, conforme dados do Banco Central do Brasil. Já na Argentina, a taxa de inadimplência gira em torno de 20% ao ano, mas a taxa de juros bancários deles são menores que os nossos.

Isso é um absurdo. Os banqueiros se aproveitam do brasileiro por ser um povo muito passivo, com medo de tudo. Mesmo que você tenha assinado o contrato e conhecimento prévio do valor das parcelas você deve reclamar e procurar seus direitos (veja ao lado) pois você não tinha escolha, todos os bancos privados se fecharam em um cartel e não há concorrência, todas as taxas de juros são iguais e abusivas. Participe dessa campanha contra os #JurosAbusivos no Facebook e Twitter e nos ajude a divulgar essa ideia por um Brasil melhor e menos abusivo.

Juros Abusivos para os Ricos

NÓS ENTRAMOS EM CONTATO COM VOCÊ

OU ENTRE EM CONTATO CONOSCO:
Somente uma grande equipe de bons Advogados especializados em #DireitoBancário podem lhe ajudar, não caia na mão de assessorias, consultorias e associações picaretas.
Agende uma consulta Gratuita pelos telefones (das 9h às 12h e das 13h às 18h de seg. à sex.):
(41) 3024-2299 (central PABX)
(41) 2105-0915 (central PABX)
(41) 2105-0919 (central PABX)
(41) 8810-6562 (celular Claro)
(41) 8810-6561 (celular Claro)
Ou compareça pessoalmente em nossa sede situada na Rua Marechal Deodoro, 857, 10º andar Edifício The Word, Centro, Curitiba/PR, (esquina com a Tibagi e próximo ao Shopping Itália) temos estacionamento ESTAPAR ao lado.

LEIA MAIS!